Como a Estônia construiu uma sociedade digital - universobpm

No país, apenas três serviços exigem a presença física de um cidadão em uma instituição do governo: casamento, divórcio e transferência de imóvel

 

Pequeno país à beira do Mar Báltico, no nordeste da Europa, a Estônia é referência atualmente em administração pública digital. No país, apenas três serviços exigem a presença física de um cidadão em uma instituição do governo: casamento, divórcio e transferência de imóvel. Tudo o que sobra — de abertura de empresas à votação nas eleições presidenciais — é possível ser feito sem nenhum deslocamento ou papel, apenas com assinatura digital. Dos 1,3 milhão de estonianos, 98,2% possuem RG digital, com um chip que lhes garante acesso a mais 500 serviços do governo.

Segundo Toomas Hendrik Ilves, presidente do país entre 2006 e 2016, a digitalização dos serviços públicos reduziu a burocracia e deixou os cidadãos mais felizes. Mas não só. O impacto econômico foi significativo. "Conseguimos poupar 2% do nosso PIB graças à digitalização", afirmou, nesta segunda-feira (06/08), em palestra realizada no GovTech, evento promovido pelo BrazilLAB e ITS-RIO em São Paulo. 

O debate sobre as reformas passou por privatizações, uma nova moeda e ações econômicas. Em paralelo, a Estônia tomou medidas para entrar no mundo HTTP e se posicionar — assim como qualquer outro país do mundo precisava naquele momento — na recém-criada internet. "Nosso grande insight foi que, quando saiu o Mosaic, o primeiro navegador, nós já criamos um programa para conectar online todas as escolas do país".

Ao menos neste jogo, o pequeno país, frio e agrário, queria estar em pé de igualdade. Foram construídos laboratórios e a infraestrutura necessária para levar a internet até as aldeias mais distantes. Hoje, 88% das pessoas do país têm acesso à web.

Outro passo, mais adiante, foi tornar atrativo o investimento privado em infraestrutura digital. "Na maior parte dos países europeus, o RG digital é voluntário, o que faz com que seu uso fique em torno de 25%. Isso não atrai investimentos. Foi por esta razão que, em 2000, aprovamos uma lei que iguala o valor de uma assinatura digital à física". A lei estimulou a adesão dos cidadãos e os bancos a investir em sistemas de transações mais seguros e digitais. Atualmente, segundo o ex-presidente, 50% dos sistemas de autenticação da infraestrutura do e-government (termo em inglês para governo eletrônico) são bancados pela iniciativa privada. 

A infraestrutura digital dos serviços públicos ainda é a mesma de 17 anos atrás, segundo Ilves. Trata-se de um sistema open source, não proprietário e descentralizado. Se uma empresa particular desenvolver um novo serviço, basta acoplá-lo a essa infraestrutura. Dentro dela, os dados das agências, instituições e governo circulam de forma criptografada, de ponta a ponta. "Quando uma criança nasce, um hospital já envia automaticamente os dados para outras instituições da rede. Quando a polícia para um cidadão por alta velocidade, consegue acessar na hora todas as informações dele".

A segurança do sistema, segundo Ilves, está principalmente na dupla autenticação que é exigida do cidadão para acessar algum serviço — feita por meio de uma combinação de números e do chip presente no RG digital. O país não usa sistemas que incluam login e senha, tampouco SMS. O ex-presidente diz que todos os cidadãos confiam na infraestrutura atual — chamada de X-Road -— principalmente porque ela nunca foi "hackeada". Na Estônia, cerca de um terço da população vota online e é possível abrir uma empresa em apenas quinze minutos, além de renovar a receita do médico de forma totalmente digital. “No nosso país, vigora aquilo que chamamos de once only rule: você só precisa dar uma informação para o governo uma vez na vida. É por esta razão que hoje os estonianos simplesmente odeiam qualquer tipo de burocracia”. 

O processo de desenvolvimento do e-government também incluiu a criação de "um arcabouço jurídico" que desse sustentação às regulamentações, padrões e transferência de informações entre os órgãos públicos. Segundo Ilves, o país realiza treinamentos períodicos com representantes do Poder Judiciário para atualizá-los sobre Direito Digital. O ex-presidente defendeu na palestra que "mais do que tecnologia" é "preciso ter vontade política" para a criação de uma sociedade digital. "Tivemos ministros que levaram essa agenda adiante, por todos esses anos, garantindo continuidade. É uma ação que precisa vir do topo".

Finlândia, México, Panamá e Uruguai são alguns dos países que trabalham diretamente com a Estônia, para criar seus próprios e-governments. O Uruguai, aliás, é o mais avançado na América Latina quando se fala em administração pública digital, segundo ranking divulgado pela ONU no dia 9 de julho

O país iniciou sua agenda digital em 2008, na presidência de Tabaré Vázquez. Em dez anos, o acesso à internet no país ultrapassou 70% de penetração — 99% das escolas e hospitais foram conectados, segundo José Clastornik, diretor da Agencia de Gobierno Electrónico y Sociedad de la Información y del Conocimiento do Uruguai. Com isso, foi possível implementar o programa "Um LapTop por criança" no país.

Em palestra no GovTech, Clastornik contou que a meta para 2020 é que toda a população do país com mais de 18 anos tenha carteira de identidade digital. Atualmente, 100% dos serviços do governo podem ser iniciados online e cerca 80% deles podem ser concluídos sem a presença física do cidadão. A meta é alcançar 100% em dois anos. Segundo Clastornik, é possível realizar tudo de forma digital — com exceção de casamento e divórcio.

As metas que o país discute hoje fazem parte da agenda criada para 2020, que inclui também melhorar a segurança do sistema e analisar os dados recolhidos para implementar estratégias nacionais. 

 

Fonte: Época Negócios

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no Whatsapp

MAIS DA CATEGORIA Notícias

Notícias

Parece que 1999 foi ontem, mas logo vamos completar 20 anos no novo milênio. Às vezes, fica difícil aceitar que os anos estão passando cada vez mais rápido e mudando de forma mais ágil a cada segundo devido às inovações e aos avanços tecnológicos que impactam o mundo.

Notícias

Novidades devem trazer impactos positivos e podem ser reproduzidas em escala nos próximos 5 anos.

Notícias

Executivo que já atuou em 20 países e é cofundador da representação da instituição Capitalismo ...


{TITLE}

{CONTENT}

{TITLE}

{CONTENT}
Precisa de ajuda? Entre em contato!
0%
Aguarde, enviando solicitação!

Aguarde, enviando solicitação!